segunda-feira, 10 de março de 2014

Constatação

O mundo já não era poético como antes.
Aliás, constatou que nunca havia sido.
A diferença estava nele, na maneira com a qual ele mesmo enxergava as realidades.

Chegava agora à conclusão de que não tinha tanta importância assim.
Não vivia num livro.
Não era uma personagem.

Aquilo era a vida real.
Com as pessoas frias, com as realidades sem flores.
Com o silêncio das madrugadas. Nelas sim ele ainda via uma poesia. Um verso. Algo assim.

Conheceu?
Achou que conheceu.
Idealizou.
Nunca existiu.

Não se culpa, porém.
Quem nunca passou por isso?

Constatação.
Todos constatam uma vez na vida.
Ou várias, quem sabe.
Até mesmo, num texto sem pé.
Nem cabeça.







Postar um comentário