segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

SOBRE UMA CAMINHADA REGADA A CHUVA GELADA E POSSÍVEL PERDA DO CELULAR

Fala gente. 

Vindo falar de coisas banais porque a vida é assim. 

Hoje resolvi caminhar pela manhã, por volta de umas onze e vinte, mais ou menos (dia de folga num dos trabalhos, mereço acordar um pouquinho mais tarde). 

A Bruna (que é nutricionista com quem já me consultei) havia me passado uma dica de app para registrar os dados de minhas caminhadas. Já usava um outro, mas não estava feliz com ele. Ela é atleta, ciclista, e vi no Instagram dela um que me chamou a atenção. Ela indicou, e fui contente estrear.  Usei minha ida ao centro da cidade também para colocar a película de vidro que há muito falei pra minha mãe, sobre a importância de se ter algo assim no celular. 

Deu certo. 
 Fiz mais uma coisa e outra, e retomei o caminho de volta.  

Acontece que, já quase chegando ao bairro onde moro, pouco antes de atravessar uma ponte famosa por aqui, um pé d'água violento me surpreendeu. 
Eu havia notado que o tempo tinha mudado, mas não sei por que razão pensei que chegaria em casa a tempo de fugir da chuva, caso ela caísse. Não deu. 

Estava com minha CNH, pois nela há os dados necessários para minha identificação, caso precise, meu celular no bolso da frente da minha bermuda de caminhada, e o celular da minha mãe no bolso de trás dele. 

A chuva não chegou como quem não queria nada. Muito pelo contrário. Veio com um vento cortante, e com gotas gigantescas.  

Como não tinha o que fazer, continuei, mesmo debaixo do dilúvio, LOGO EU QUE SOU TÃO CUIDADOSO COM ELETRÔNICOS. 

Óbvio que cheguei em casa mais encharcado do que pinto molhado. 

E não sei por quê imaginei que os celulares não seriam afetados pela chuva. 
O da minha mãe, graças a Deus, está funcionando normalmente. Precisou de uma sessão de secador de cabelos pra enxugar por dentro, mas tá beleza. Mas o meu... 

Quando cheguei, deu pau na tela dele. Sumiu tudo e começou a piscar. Desliguei e decretei sua morte. Sou bem cético quanto a funcionamento de eletrônicos. Se foi água onde não devia, não havia mais o que fazer. 

Mas meu irmão tá de férias. Resolveu fazer no meu aparelho também uma sessão de secador. Funcionou! Ligou, pelo menos! 
Mas recarregar que é bom...  

Pesquisei na internet sobre a mensagem que aparece nele. Diz que o recarregamento está pausado devido a baixa temperatura da bateria (?). 

No momento em que escrevo isso, estou na rádio, e ele está desligado, na tomada. Uma pessoa registrou num fórum que, depois de três horas na tomada, o dela "ressuscitou". 

Sinceramente? Não tenho muita esperança de que ele volte a funcionar. O problema, é que meu número não é só particular. É também corporativo. Trabalho com ele.  
Além disso, uso para ouvir música, ver filmes, séries, ler livros... Costumo dizer que faço jus à internet que pago. 

Pois bem. Até darei um pulo na loja onde coloquei a película para a minha mãe (os caras manjam lá). Aqui em minha cidade não tem autorizada da marca do meu telefone, e  sem tempo/paciência de ir até a cidade vizinha pra isso. 

A foto que ilustra esse post é da captura dos dados da minha caminhada de hoje. 
Poderia ter ficado quietinho na minha, em casa, vendo Netflix com meu irmão? Poderia. Mas enfiei na minha cabeça que preciso voltar ao meu IMC ideal. 

Quando resolver meu problema, de um jeito ou de outro, trago as notícias aqui pra vocês. Sei que não dão a mínima pra isso, mas tá de boas! 

Achei legal um cientista dizendo que escreve no blog dele, mesmo sabendo que quase ninguém lê! Ele diz que o fato de escrever, é um treinamento pro aprendizado constante. Assim, não esquece como se expressar.  

Acaba acontecendo mesmo comigo! 

O clipe que deixo aqui hoje é da banda Ace of Base, "The sign", uma das muitas que ouvia nesse meu celular, enquanto caminho. Gosto de ouvir músicas mais ritmadas para isso! 

Aquele abraço, e até o próximo post. 

Postar um comentário