sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Os irmãos mais velhos.

Antes de mais nada, permita-me dizer:

"Sou responsável por aquilo que falo. E não pelo que você entende."

Pronto! Feito o adendo, vamos ao assunto do dia!
Assunto que nem seria esse!
O primeiro tema que me veio foi "Deus: Lembrado nas tragédias; esquecido na bonança", mas algo mudou!
Quem sabe discorro sobre isso algum outro dia?!

Pois bem!

O termo "irmão mais velho", ao qual me refiro no título desse post, tem a ver com a parábola do filho pródigo, que você pode ler na Bíblia no Evangelho segundo São Lucas, capítulo 15, versículos de 11 à 32.

O irmão mais velho ficou fulo da vida porque o pai, ao perceber que o filho mais novo voltava depois de esbanjar tudo o que tinha, fez festa pro mesmo!
Erraaaaado erraaaaado o mais velho não tava! Afinal, imagine-se nessa situação!
Você ficou! Arcou com as consequências! Aí me vem aquele carinha, como um "João sem braço", e ainda ganha uma mega festa?!

É como sempre digo! A psicologia de Deus é diferente!

Imagino a situação daqueles que não estão nas igrejas todos os dias. Que por uma catequese mal feita, ou até por opção própria, se mantém por vontade própria não tão perto de Deus quanto outros.

Detalhe: Muitas vezes nos afastamos de Deus, mas Ele jamais se afasta de nós.

Coitadinhos. Muitas vezes, quando esses ensaiam uma volta, são recebidos pelos "irmãos mais velhos". São pegos na curva. Daí são esculhambados, como as pessoas mais dignas dos quintos dos infernos.

Julgados e condenados por aqueles que amam tanto o Nosso Senhor Jesus Cristo, mas que não podem permitir que "hereges" se aproximem do Altar.

E isso é recorrente.

Há mais ou menos uns dois mil anos atrás, um barbudinho também deve ter sido taxado das piores denominações possíveis e imagináveis.
Sabe por quê, querido leitor?!
Porque seus discursos eram lindos! Cativava os corações!
Mas Ele andava com cobradores de impostos. Com leprosos. E naquele tempo, acreditava-se que quem tivesse uma doença dessas, era condenado porque seus pais haviam pecado.

Parece (vejam bem: parece) que até hoje tem gente que não entendeu que Ele veio para os doentes!
Se na Igreja existissem apenas os Santos, por que Ele viria?!

O padre José Augusto hoje, na Santa Missa das sete da manhã, na Canção Nova, falou uma coisa que me chamou muito a atenção: "Pede-se vários dons, mas esquecem de pedir o Dom do Amor."
Fato!
Quero cantar! Quero orar em línguas! Quero profetizar às nações!
Mas amaaaaaaaaar?! Aaaaaaaaaah nãããããão!!!
Dá trabalho! Vou precisar engolir o meu orgulho e servir à "pecadores" que abandonaram o Senhor.

Ô meu querido: Esses dons todos que você quer, são para o serviço! Para servir àqueles que por um motivo ou por outro se afastaram do Senhor! Não importam os motivos! Ou você tem um decreto especial do Céu que te dá o direito de julgar os outros?!

Tenso, né?! Temas assim podem ser falados e debatidos por horas! E muitas vezes, nem entendidos!
Por isso comecei com a célebre frase "Sou responsável por aquilo que falo. E não pelo que você entende."

Deixo com vocês hoje uma música linda, que dedico principalmente àqueles que algum dia quiseram voltar, mas se encontraram com pessoas que os descartaram logo no início.
Deus não se esqueceu de vocês, queridos!
Aliás, Ele veio a esse mundo justamente para pessoas como eu e você!

A música é com a Ivete Sangalo (QUEEEEEEEEEEEM?! AQUELA MULHER MUNDAAAAANAAAAAA?!), o Padre Fábio de Melo (AQUELE QUE DIZ QUE TUDO PODE?!) e o Léo, da Banda Dominus (ONDE ESSE TAVA COM A CABEÇA QUANDO CONVIDOU O PADRE FÁBIO E A IVETE PARA CANTAREM JUNTOS?).

Linda linda linda! O título é "Não estou sozinho".
Não mesmo!
Aprendi que estar em meio à multidões, nem sempre é sinal de que você pode contar com os que te rodeiam.
Aqueles com os quais você pode contar, muitas vezes são contados nos dedos de uma mão. E sobra dedo, viu?! Mas são aqueles que, mesmo imperfeitos, não te abandonam quando você mais precisa.
E o mais importante: DEUS nunca nos abandona. Não estamos sozinhos. Nunca!
Linda e maravilhosa sexta-feira prá você!
Se preciso, recomece. As pessoas podem não acreditar em você.
Não se preocupe.
Deus acredita.


Postar um comentário